Invariavelmente ao Pôr do Sol


Invariavelmente ao por-do-sol,

Encontramo-nos naquela tarde fria.

Os ultimos raios de luz lutam furiosamente

Contra a noite que quer dominar o céu.

E nós, escondidos atrás das lentes escuras,

Cabelos molhados das ondas que rebatem,

Olhamo-nos, subitamente sem palavras...

Por uns segundos, uns escassos segundos,

O beijo pairou no ar,

Suspenso na brisa fria que enregelava.

Agua na boca, desejo intenso...

Até que, no ultimo segundo, partiu flutuando para longe,

Empurrado pela tua meiga recusa.

E nós, escondidos atrás das lentes escuras,

Cabelos molhados das ondas que rebatem,

Sorrimos ambos um sorriso envergonhado e triste,

Quiçá por motivos diferentes.

Agora, no calor do meu quarto,

Fecho os olhos e sonho com o beijo que não foi.

E desejo voltar para o frio,

Molhar-me nos respingos das ondas

Enquanto espero que regresses

E dês o beijo que me pertence.

Featured Posts
Recent Posts
Archive
Search By Tags
Follow Us
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now