Margarida

Sentada nos últimos lugares do autocarro, Margarida encolheu-se quando o homem se sentou a seu lado. Naqueles lugares apertados, era praticamente impossível não tocar nas pessoas e eles estavam tão próximos, que ela conseguia sentir o cheiro da loção da barba. Corou ao sentir o calor da perna em contacto com a sua através dos jeans coçados. Mexeu-se, desconfortável, tentando afastar a perna dele. Pelo canto olho, espreitou-lhe o rosto moreno de nariz largo e sobrancelhas hirsutas encimado pela cabeleira negra e encaracolada. O olhar parecia preso lá longe, na parte dianteira do veículo. Queria ver-lhe os olhos, mas não se atrevia a voltar-se e olha-lo diretamente. Os olhos sempre foram aquil

Publicações recentes
Busca por etiquetas
Segue-me nas redes
  • Facebook Basic Square
  • Google+ Basic Square
Consultar arquivo
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now